Web Rádio Peregrina
Obra Missionária de Evangelização e Acolhida Social Virgem do Carmo Peregrina

22/12/2017

Vaticano defende objeção de consciência ante lei que abre portas à eutanásia na Itália

O regulamento permitirá aos enfermos dispor de um testamento prévio e vinculante para o médico e os familiares. Com esta nova lei, a decisão do paciente sobre a interrupção ou não recepção de hidratação e alimentação artificiais em caso de incapacidade ficará, agora, estabelecida no documento “Disposições antecipadas de terapia” (DAT). A norma indica que nenhum tratamento ou procedimento pode ser realizado sem o consentimento pleno, livre e informado, de forma escrita ou através de meios informáticos, do paciente ou dos pais ou tutores, no caso de menores. Ante as perguntas da imprensa em 20 de dezembro no Hospital Pediátrico ‘Bambino Gesú’, em Roma, o Cardeal Parolin explicou que a posição a favor da objeção de consciência é válida. “Acredito que – sem fazer um julgamento global – um dos pontos desta lei é prever para as pessoas, os médicos, os agentes da área da saúde e das instituições católicas, a possibilidade de recorrer à objeção de consciência”. “Portanto, acho normal que exista esta posição”, sublinhou o Purpurado. Em seu discurso prévio no centro de saúde, o Cardeal Parolin disse que “no serviço do cuidado precisamos seguir continuamente o caminho da inovação científica e técnica, mantendo sempre o paciente e a família no centro, respeitando plenamente os seus direitos e atendendo as suas necessidades”. “E esta sempre é a missão de todo o Hospital Pediátrico Bambino Gesú. Para cumpri-la, é crucial que as atividades de diagnóstico e cuidados estejam baseadas nos valores evangélicos compartilhados por todos os funcionários e que os líderes se inspirem no grande profissionalismo e na transparência”, sublinhou.
Imprimir

 

© Obra Missionária Virgem do Carmo Peregrina. Todos os direitos reservados

Site desenvolvido por Vetorial Soluções Corporativas
Obra Missionária Virgem do Carmo Peregrina